domingo, 27 de abril de 2008

BBB

Em manhã de gala o casal ReJuntiano dirigiu-se para a primeira ecografia. Na cidade das grávidas várias barrigas se espremiam em uma sala minúscula. Secretarias tentavam organizar a Barrigaria. Proto-Pais concorriam irrequietos com as barrigas na luta por uma coordenada geográfica para sentar. Diante do latente ambiente de reprodução humana o que os tornava iguais perante a situação era exatamente a virgindade. Não que seus filhos sejam do Espírito Santo, não. A virgindade emanava dos DVDs que a maioria deles carregava em suas mãos.

O Renato, como um dos iguais perante a situação, também portava o seu.

Assim, o procedimento se faz: As barrigas entram na sala da ecografia, vestem roupas especiais, deitam na cama e o show começa. Imagens televisivas em três dimensões, som estéreo e um operador falando coisas incompreensíveis. Enquanto isso, o tal DVD registra tudo para a posteridade. Grava cada ronco do motor humano, cada célula intra-uterina. Os pais e mães emocionam-se no catártico e midiático movimento da vida.

É realmente emocionante receber a notícia dos 1,2 cm de vida encrustrado no saco gestacional e ouvir, em estéreo e bom som, o coração que pulsa a 150 batidas por minuto. Um momento de emoção forte em tempo reduzido.

Tudo no script com o casal ReJuntesco a não ser pelo fato de que o Rê tem um crise ética, filosófica e midiática e não consegue fornecer o DVD para o espetáculo tornar-se reproduzível.

Hoje em dia, o fim de nossa liberdade começa ainda dentro do útero. As entranhas femininas são devassadas por uma equipe de jornalismo intra-uterina ávida por respostas de seu entrevistado. A sociedade do Espetáculo do Guy Debord manifesta-se na sua forma mais viva. Nesse momento o Rê sentiu que seu embrião participava do mais novo reality show. O Big Brother Intra Uterino.

Resguardando-se da Pós-modernidade implacável, o momento não foi menos emocionante ou curioso. Ouvir um coração batendo dentro do útero de seu par não deixa de ser uma aventura inenarrável. A única coisa diferente é que esse momento ficou ali. Resguardado pelo tempo e por aquela coordenada geográfica. Não contém reprodutibilidade...



.

8 comentários:

  1. viva meu neto. 1,2 cm e ele já está contestando o regime!!!
    Silvio

    ResponderExcluir
  2. Hum, interessante este ultimo artigo ReJuntiano...
    Deveras poético...
    Que massa Zulia!!
    No mais, boa semana!
    Edgar(di)

    ResponderExcluir
  3. adorei a novidade!!! meu primeiro sobrinho (ou seria primo???)... caramba a família tá fértil!!! parabéns pra vcs!!!! bjão, Má Bock

    ResponderExcluir
  4. Ju

    ADOREI a notícia. Já até sonhei com vc depois disso! Beijos pra vc e pro tricolorzinho que vem por aí!

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o Rê. Esses momentos são íntimos demais para serem reproduzíveis à maneira benjaminiana. E parabéns pelo bebê!!!

    ResponderExcluir